O Coroinha Dorminhoco

1949: Igreja de Santo Antônio do Valongo
Natal, Missa do Galo

Por essa época, Ildete ainda era muito ligado ao seu primeiro mentor espiritual no Valongo, o Vigário Frei Valdomiro Shatas. Frei Osmar, bem como Frei Cosme eram coadjutores, o último recém-chegado, em sua terceira e definitiva passagem por Santos.

Nas festas natalinas, os coroinhas disputavam o privilégio de serem escalados para as principais cerimônias.

O coroinha Ildete e quase todos os outros, oriundos de famílias humildes do bairro, além da distinção estavam de olho nas mesas fartas, além de outros agrados, proporcionados pelo Convento nessas ocasiões.

Ildete acabou escalado por Frei Valdomiro, para ajudar na Missa do Galo, na época uma das celebrações mais concorridas.

Tudo ocorreu perfeitamente, conforme previsto no roteiro.

Logo após a cerimônia, em meio à confraternização com os fiéis, inesperadamente o Vigário pediu autorização aos pais de Ildete para que o filho pernoitasse no Valongo. Precisaria dele para ajudar na Missa das 5:45 hs que ele próprio rezaria.

O garoto, feliz com a perspectiva de prolongar a imprevista e bem-vinda continuação da festança, lá ficou, para dormir umas poucas horas.

Momentos antes da missa, o Vigário passou no quarto, despertou-o e seguiu para cuidar de outros afazeres. Ildete esfregou os olhos, espreguiçou-se, mas as emoções e o cansaço da noite anterior acabaram por derrubar a resistência do tenro adolescente. Novamente ferrou no sono e só acordou quando a missa tinha terminado fazia tempo.

Apreensivo, pensou em alguma reprimenda dos freis ou dos pais. Assim mesmo, faminto, logo se dirigiu para a mesa do refeitório, abarrotada de guloseimas, naquele festivo café da manhã.

Desfrutou, sem remorsos, a pouco merecida recompensa e, no final das contas escapou ileso, pois nem os religiosos, muito menos os pais lhe externaram qualquer repreensão.

Na quarta-feira seguinte, dia de descanso na igreja, ainda participou do banho de mar e das brincadeiras com os demais coroinhas que acompanhavam os freis até a pequena e aprazível Praia das Vacas, do outro lado da Ponte Pênsil – direção Praia Grande, na mesma harmonia de sempre…

Ildete Alves Bezerra

Ildete Alves Bezerra

Amigo n.º 28 de Frei Cosme

Share Button

Comentários

Sem comentários ainda.

Nome:
E-mail:
Comentário:
 Adicione seu comentário 

Comentários via Facebook


Arquivo
Busca