A Galheta (*)

1973: Igreja de Santo Antônio do Valongo
Época em que a falta de coroinhas já era grande

Ademário, com 9 anos, recém recrutado para ajudar nos ofícios religiosos do Valongo, nem bem havia começado o treinamento e já foi escalado para ajudar na que seria sua primeira missa como coroinha. O celebrante: Frei Cosme.

Mainho estava extremamente nervoso. Em meio à celebração, o sacerdote discretamente gesticulou, esperando por algo que não lhe chegava e solicitou sussurrando: “A galheta!”

O problema é que Mainho não tinha a mínima ideia sobre o significado de tal palavra. Atabalhoado, chegou a apresentar ao frei uma pequena toalha, naturalmente rejeitada e empurrada para o lado.

Deu um branco na cabeça do coroinha de primeira missa, em meio à sensação de sentir-se extremamente envergonhado pelo ocorrido.

Não foi repreendido e lembra como ficou profundamente aliviado, quando Frei Cosme, num gesto tipicamente seu, ao fim da missa, na sacristia, com olhar indulgente, lhe passou a mão carinhosamente sobre a cabeça…

(*) GALHETA: Cada um dos dois pequenos vasos que contêm o vinho e a água, usados na celebração da Missa (Dicionário Houaiss).

Ademário dos Santos Filho (Mainho)

Ademário dos Santos Filho (Mainho)

Amigo n.º 32 de Frei Cosme

Share Button

Comentários

Sem comentários ainda.

Nome:
E-mail:
Comentário:
 Adicione seu comentário 

Comentários via Facebook


Arquivo
Busca